19 de julho de 2017

Os Meus Problemas

Ninguém Tem Pena das Pessoas Felizes


"Ninguém tem pena das pessoas felizes. Os Portugueses adoram ter angústias, inseguranças, dúvidas existenciais dilacerantes, porque é isso que funciona na nossa sociedade. As pessoas com problemas são sempre mais interessantes. Nós, os tontos, não temos interesse nenhum porque somos felizes. Somos felizes, somos tontaços, não podemos ter graça nem salvação. Muitos felizardos (a própria palavra tem um soar repelente, rimador de «javardo») vêem-se obrigados a fingir a dor que deveras não sentem, só para poderem «brincar» com os outros meninos. 
É assim. Chega um infeliz ao pé de nós e diz que não sabe se há-de ir beber uma cerveja ou matar-se. E pergunta, depois de ter feito o inventário das tristezas das últimas 24 horas: «E tu? Sempre bem disposto, não?». O que é que se pode responder? Apetece mentir e dizer que nos morreu uma avó, que nos atraiçoou uma namorada, que nos atropelaram a cadelinha ali na estrada de Sines. 
E, no entanto, as pessoas felizes também sofrem muito. Sofrem, sobretudo, de «culpa». Se elas estão felizes, rodeadas de pessoas tristes, é lógico que pensem que há ali qualquer coisa que não bate certo. As infelizes acusam sempre os felizes de terem a culpa. É como a polícia que vai à procura de quem roubou as jóias e chega à taberna e prende o meliante com ar mais bem disposto. Em Portugal, se alguém se mostra feliz é logo suspeito de tudo e mais alguma coisa. «Julgas que é por acaso que aquele marmanjo anda tão bem disposto?», diz o espertalhão para outro macambúzio. É normal andar muito em baixo, mas há gato se alguém andar nem que seja só um bocadinho «em cima». Pensam logo que é «em cima» de alguém. 
Ser feliz no meio de muita gente infeliz é como ser muito rico no meio de um bairro-de-lata. Só sabe bem a quem for perverso. 
Infelizmente, a felicidade não é contagiosa. A alegria, sim, e a boa disposição, talvez, mas a felicidade, jamais. Porque a felicidade não pode ser partilhada, não pode ser explicada, não tem propriamente razão. Não se pode rir em Portugal sem que pensem que se está a rir de alguém ou de qualquer coisa. Um sorriso que se sorria a uma pessoa desconhecida, só para desabafar, é imediatamente mal interpretado. Em Portugal, as pessoas felizes sofrem de ser confundidas com as pessoas contentes."

Miguel Esteves Cardoso, in 'Os Meus Problemas' 

*MEC, felicidade e verdade.

22 comentários:

  1. É por essas e por outras que continuo a ler o MEC. Eu cá não culpo os felizes até porque no dia-a-dia gosto de os imitar. Quem trabalha connosco não tem que levar com a nossa má disposição. E porque gosto de rir.

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. Adoro as palavras feitas de verdades - do MEC - obviamente. :)

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Nesse caso não será apenas o MEC, pois se o Miguel tem tantos fãs, deve existir alguma razão...
      Ou seja, afinal somos inúmeros com similar pensamento. Ponto positivo! ;)

      Eliminar
  4. OH. MEU. DEUS. isto é tão verdade! se as pessoas "tristes" olhassem mais para os lados bons da vida - e que, na maioria das vezes, está bem ao lado -, seriam bem mais felizes. mas há qualquer poesia na dor que faz os portugueses sentirem-se com pena deles próprios e gostarem disso!

    r: houve uma altura em que os carteiros também só deixavam o aviso e nem subiam mas deve ter havido queixas e agora vêm sempre e, mesmo quando não está ninguém em casa, ligam a confirmar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente, por vezes andamos distraídos e afinal a felicidade mora mesmo ao lado.
      Há pessoas a quem perguntamos "Como estás" e a resposta vai alternando entre o "mal" e o "vai-se andando". Bolas!

      Fica aqui a dica: MEC! (Grande verdade!) ;)

      Eliminar
  5. Que tamanha verdade!!!

    "«Julgas que é por acaso que aquele marmanjo anda tão bem disposto?», diz o espertalhão para outro macambúzio. É normal andar muito em baixo, mas há gato se alguém andar nem que seja só um bocadinho «em cima». Pensam logo que é «em cima» de alguém."

    Diz tudo, sobre nós, povo português.

    A Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, mais que verdade. O "povo" adora tecer comentários acerca da (in)felicidade alheia.

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Não falha e é por isso que eu gosto dele. O MEC brinca com as palavras, consegue ser directo e elegante ao mesmo tempo, o que só revela inteligência da parte dele.

      Eliminar
  7. As pessoas felizes não têm que sofrer por isso...

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isa Sá, concordo contigo, porém, nem sempre é assim. Tudo depende das pessoas, do modo como encaramos determinadas situações (dependendo do contexto, do meio...).

      Eliminar
  8. Já eu adoro rodear-me de gente feliz!

    ResponderEliminar
  9. Respostas
    1. Daí eu gostar dele. Os loucos felizes vivem melhor! :)

      Eliminar
  10. A felicidade é tão relativa, tão boa mais ao mesmo tempo tão culposa, como dizemos que somos infelizes quando há pessoas que vivem num campo de refugiados e outras que passam dias sem comer?
    Como dizemos que somos felizes sem que as pessoas nos olhem de lado e digam que temos o rei na barriga?
    Mais vale não dizer nada, viver na serenidade de se ser quem é e sempre com um sorriso para o outro, o nosso mundo pode tremer mas os outros não tem que "comer" com a nossa má disposição.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Raramente digo que sou uma pessoa infeliz, pois não é verdade. Grata pela vida!
      O que os outros pensam muitas vezes nem me diz respeito... Os outros não têm que "comer" com a nossa má disposição, pois é!

      Eliminar